Home Atletismo Brusquenses participam de provas de corrida no Uruguai e no Chile neste fim de semana

Brusquenses participam de provas de corrida no Uruguai e no Chile neste fim de semana

De todas essas atletas, Elizete é a mais experiente. Ela participa da corrida há 27 anos e é considerada um ícone e precursora da corrida de rua na cidade. “Vi a Beira Rio ser construída”, brinca, ao lembrar que passava pela obra todos os dias pela manhã num tempo em que correr não era ainda algo tão comum como nos dias atuais.

por Sidney Silva
0

Quatro atletas de Brusque vão viver o sonho em comum de participar de provas internacionais neste fim de semana. Angelica Bonomini, 32 anos, Tatiana Alves Herber, 42, e Luciana de Souza Schlindwein, 44, vão representar a cidade na Maratona Internacional de Punta Del Este, no Uruguai, enquanto que Elizete de Souza Geanesini Félix, 51, participará do Patagonian International Marathon, no Chile.


27 anos de paixão pela corrida

De todas essas atletas, Elizete é a mais experiente. Ela participa da corrida há 27 anos e é considerada um ícone e precursora da corrida de rua na cidade. “Vi a Beira Rio ser construída”, brinca, ao lembrar que passava pela obra todos os dias pela manhã num tempo em que correr não era ainda algo tão comum como nos dias atuais.

Hoje empresária e empreendedora do ramo imobiliário, Elizete, divide o trabalho e a família com o que mais gosta de fazer. “Tenho uma vida muito intensa todos os dias. São dois filhos, marido, casa. A gente trabalha, tem faculdade, e tem que conciliar tudo”, ressalta.

Vivências e experiências

Elizete conta que, quando começou a correr, o foco era conhecer cidades e todas as capitais do Brasil. Atualmente, somente as de Roraima, Tocantins, Sergipe e do Pará estão fora da lista. Mas o sonho de Elizete vai muito além das fronteiras brasileiras. “Meu sonho é conhecer o mundo. Já conheci o Brasil todo através da corrida”, diz ela, que, entre outras provas internacionais, já participou da maratona da Disney, Atacama (Chile), e de Punta del Este, no Uruguai, onde agora as amigas Angelica, Tatiana e Luciana vão se desafiar. “Coloquei como sonho a Patagônia (prova que será realizada pela brusquense no fim de semana), e quero fazer ainda as principais do mundo, Berlim, Chicago e as Muralhas da China”, diz ela.

Para a primeira grande prova destes desafios, Elizete tem um motivo a mais para comemorar. Ela estará acompanhada do marido, Júlio Luiz Félix, que passou há fazer corrida há apenas três meses, após mais de três décadas de casado com a corredora. “Meu grande sonho era levar ele para uma prova comigo, e isso ocorreu neste fim de semana, quando participamos da Corrida do Bem, do Sesi. Meu marido é maravilhoso, mas sempre foi muito fechado, e depois de 32 anos com ele, conseguir levá-lo para uma largada foi incrível. E, agora, no Chile, vamos largar juntos. Ele na prova de 5 quilômetros, eu na de 21, é um grande sonho”, comemora.

Mulheres de ferro”

Elizete, Angélica, Tatiana e Luzinete fazem parte do Grupo de Corrida do Bay, cada uma com uma história particular, mas em que determinado momento dentro da equipe se unem em torno do mesmo objetivo. Atualmente, uma vive o sonho da outra. Tamanha afinidade fez com que elas criassem um grupo dentro do próprio grupo de Corrida do Bay, o ‘Mulheres de Ferro’. São atletas que treinam juntas para provas de longa distância e se planejam em parceria para competições de interesse em comum.

Esse é um dos motivos que levaram Angélica, Tatiana e Luzinete ao Uruguai. Será a primeira prova internacional de todas elas; “As provas nos estimulam a viajar, conhecer novos lugares e isso é muito legal”, diz Angélica, empreendedora.

Após realizar a primeira prova em 2011, a atleta começou a levar mais a sério a corrida há cerca de três anos. “Na verdade sempre gostei de correr, ia correndo para a escola. Já cheguei a fazer uma prova no sábado à noite e outra domingo pela manhã”, conta.

Para ela, hoje a corrida é um estilo de vida. “É o que mais gosto, pois a corrida me faz sentir-se bem e nos estimula a construir grandes amizades”, salienta.

Angélica comenta que a ideia de competir no Uruguai surgiu ainda no ano passado, durante a meia Maratona de Floriianópolis. Foi quando ela formalizou o convite do desafio para Tatiana. A corredora, que atua como promotora de vendas, logo se animou com o desafio.

Ela é outra que tem uma história curiosa com a corrida. “Eu caminhava na Beira Rio, corria e trazia meu filho para a aula de natação, enquanto ele ficava no treino, eu ia correr. Até que um dia o Bay (professor da natação e técnico das atletas) me chamou para correr com o grupo. Tinha apenas umas quatro pessoas”, lembra. Atualmente, a equipe conta com 75 atletas.

Uma das grandes vivências de Tatiana no esporte ocorreu durante uma prova de trilha na Ponta do Papagaio, em Palhoça. “Foi algo que me marcou muito. Porque teve um momento que eu estava exausta, sem saber o que estava fazendo ali. Até que em um momento eu olhei para o lado e vi um cego sendo conduzido, e um guia narrando para ele o que estava acontecendo e o que se podia ver. E ele estava tão feliz. Foi aí que falei ‘Meu Deus, me perdoa’, pois vi que eu tinha a oportunidade de contemplar tudo aquilo”, comenta.

Mais nova entre as integrantes do grupo, Luciana, que trabalha como maqueadora, entrou para a equipe após um convite de Tatiana. Ela tinha fibromialgia, síndrome que provoca dores por todo o corpo, e só passou a correr há cerca de seis meses em razão do problema de saúde.

Hoje conta: “Meu objetivo era fazer uma corrida no ano. Atualmente já fiz cinco e uma prova de ciclismo de 42 quilômetros”, comemora. “A verdade é que nunca me imaginei correndo ou acordando cedo para correr. E hoje sempre acordo feliz, faça chuva ou faça sol. Minha maior alegria é ver a linha de chegada”, finaliza, entusiasmada.