Home Artes Marciais Esquiva Falcão: Da glória olímpica à superação

Esquiva Falcão: Da glória olímpica à superação

Medalhista olímpico chegou a vender mini pizzas para sobreviver

por Luiz Mendes
0

Há quase dez anos, o Brasil comemorava mais uma medalha nas olímpiadas de Londres. Naquele ano, um jovem capixaba, então com 23 anos, fazia história ao se tornar o primeiro boxeador brasileiro a conquistar uma medalha de prata numa olímpiada.

Surgia para o Brasil e para o mundo o pugilista Esquiva Falcão Florentino. O nome estranho e pouco comum logo estaria na boca de todos os brasileiros, orgulhosos pelo feito do atleta franzino, que superou diversas adversidades para estar no topo do boxe olímpico mundial.

Era o começo de uma grande trajetória. Desde então, Esquiva se aprimorou e se manteve imbatível. Já no boxe profissional, seguiu fazendo história, até o dia 29 de fevereiro de 2020, quando derrotou o argentino Daniel Miranda, no Boxing For You. Com o triunfo, o lutador chegou, àquela altura, a 26 vitórias na carreira, 18 delas por nocaute. No auge, há um ano Esquiva já aparecia no top 3 do mundo na categoria dos médios (72,5 quilos ou 160 lbs).

Mas quando o atleta estava perto de buscar o tão desejado cinturão, teve o sonho adiado, prejudicado pela pandemia. Com apenas duas lutas após esse período (vitória sobre o também brasileiro Morrama Araújo e sobre o russo Artur Akavov), Esquiva foi obrigado a buscar uma forma alternativa para se manter lutando e auxiliar à família. A opção foi vender mini pizzas feitas pela própria esposa. “É difícil, deixar um sonho de lado para começar a vender mini pizza, para manter a família num momento de pandemia. É difícil, mas não porque eu tenha vergonha. Falo que é difícil por eu ser medalhista olímpico, o primeiro no Brasil a ganhar uma medalha de prata, que só não foi de ouro por causa de um erro do juiz”, comenta Esquiva, em entrevista exclusiva ao EsporteSC (veja vídeo abaixo). “Hoje, eu e minha família nos reinventamos. Não adiantava ficar chorando em casa. Eu precisava sair dessa dificuldade. Nós seres humanos somos muito fortes. Hoje me orgulho muito de mim e tenho certeza que minha família também. Que todos sabem que o Esquiva Falcão não é só um atleta, mas alguém que também sabe se virar nas horas difíceis”, completa.

É difícil, deixar um sonho de lado para começar a vender mini pizza, para manter a família num momento de pandemia. É difícil, mas não porque eu tenha vergonha. Falo que é difícil por eu ser medalhista olímpico, o primeiro no Brasil a ganhar uma medalha de prata, que só não foi de ouro por causa de um erro do juiz”

ESQUIVA FALCÃO

Se tinha algum motivo para desanimar, Esquiva logo ganhou vários para sorrir. Depois de fazer história e dar de presente ao Brasil uma sonhada medalha olímpica num esporte tão adorado no país, chegou a vez de o povo brasileiro retribuir.

Sem fonte fixa de renda e passando por dificuldades, o boxeador viu uma campanha ganhar corpo na internet após postar uma imagem para divulgar o novo emprego. A foto postada por Esquiva nas redes sociais, em que ele aparece em cima de uma moto, falando sobre o trabalho de entrega com mini pizzas, logo viralizou. O assunto chegou a dominar, inclusive, os Trending Topics do Twitter. “Não estava acompanhando a repercussão, pois precisava entregar as mini pizzas. Até que um fã mandou um print do Twitter no meu Instagram, falando que a galera estava compartilhando e que a publicação estava em alta naquele momento. Quando eu vi aquilo, nem acreditei”, ressalta Esquiva.

Post de Esquiva Falcão viralizou nas redes sociais

“Não estava acompanhando a repercussão, pois precisava entregar as mini pizzas. Até que um fã mandou um print do Twitter no meu Instagram, falando que a galera estava compartilhando e que a publicação estava em alta naquele momento. Quando eu vi aquilo, nem acreditei”, Esquiva Falcão, boxeador

A campanha #PatrocinemoEsquiva dominou a plataforma e chamou a atenção de empresários. Um deles era Lucas Hang, um dos filhos de Luciano Hang, proprietário da rede de lojas Havan. Ele não pensou duas vezes em ajudar o atleta. “Entrei em contato com ele porque ele tem a cara da nossa empresa. É simples, não tem medo de trabalhar e tem uma história de superação”, afirma.

O encontro ocorreu na última quarta-feira (14), em Brusque, e contou com a presença de Lucas e do pai. “Patrocinar é acreditar. Nós acreditamos no Brasil e nos brasileiros. É uma honra poder incentivar atletas e artistas que fazem a diferença, ainda mais nesse cenário de pandemia, onde tanta gente perdeu o sustento”, comenta o dono da Havan.

Com a situação delicada, Esquiva chegou a colocar sua medalha à venda, mas desistiu do negócio

Volta por cima
Com o novo patrocínio, Esquiva tem a chance de correr atrás do sonho e também de voltar à rotina de boxeador, com treinos, lutas e, consequentemente as vitórias. O atleta destaca a importância da nova parceria. “É muito importante saber que a Havan acredita que posso ser campeão do mundo. Esse patrocínio faz eu reativar meu sonho de ser campeão e não me deixa desanimar. Agora posso treinar tranquilamente, sem pensar na minha situação financeira. A Havan representa muito para mim e fico feliz em carregar esse nome no peito”, ressalta Esquiva.

É muito importante saber que a Havan acredita que posso ser campeão do mundo. Esse patrocínio faz eu reativar meu sonho de ser campeão e não me deixa desanimar. Agora posso treinar tranquilamente, sem pensar na minha situação financeira. A Havan representa muito para mim e fico feliz em carregar esse nome no peito” Esquiva Falcão, boxeador

VEJA EM VÍDEO ENTREVISTA EXCLUSIVA CONCEDIDA PELO ATLETA AO ESPORTESC